Campos Neto repete que é importante perseverar na meta fiscal, mesmo entendendo dificuldades

Stefano Vasconcelos

Presidente do BC destacou que o mercado tem discutido a capacidade de o pacote de medidas lançado pelo governo para turbinar a arrecadação gerar receita suficiente para zerar o déficit

“A gente tem dito que é importante perseverar na meta, mesmo entendendo a dificuldade”, comentou Campos Neto, durante evento organizado pelo Credit Suisse em São Paulo.

O banqueiro central destacou que o mercado tem discutido a capacidade de o pacote de medidas lançado pelo governo para turbinar a arrecadação gerar receita suficiente para zerar o déficit, mas destacou que a aprovação das medidas é importante.

“Acho que é importante que o Congresso aprove essas medidas”, comentou o presidente do BC, acrescentando que a aprovação dessas medidas pode gerar uma percepção de melhora na situação fiscal.

Campos Neto acrescentou que o debate fiscal tem aparecido com mais força nas discussões globais, em parte devido ao tamanho dos estímulos concedidos por países.

Segundo o presidente do BC, emergentes têm feito um trabalho melhor na política fiscal do que as economias desenvolvidas.

Aumento global dos juros
Campos Neto disse ainda que o aumento global dos juros parece estar relacionado a um componente de piora fiscal. Ele destacou que a percepção é de que os juros globais ficarão altos por mais tempo. “Estamos num período em que existe a percepção de que as taxas de juros internacionais serão maiores por mais tempo”, comentou. “Em parte, isso tem alguma coisa de fiscal.”

O presidente do BC destacou que o Credit Default Swap (CDS) dos Estados Unidos, usado como métrica de risco-país, tem uma piora relevante que parece estar relacionada com o risco fiscal. A piora de CDSs de países desenvolvidos também parece ter correlação com a política fiscal, afirmou.

Devido à piora fiscal mais aguda em países desenvolvidos, enquanto os países emergentes têm uma política fiscal “mais disciplinada”, o presidente do BC disse que pode haver uma mudança no diferencial entre juros neutros de emergentes e desenvolvidos.

Leave a comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *