Por que os motoristas de aplicativo passaram a cancelar tantas viagens em São Paulo? Entenda

Pedir um carro por aplicativos como Uber e 99 se tornou uma tarefa difícil em São Paulo nas últimas semanas. Nas redes sociais, usuários reclamam de cancelamentos nas plataformas e da demora para conseguir que um motorista aceite a corrida, principalmente quando solicitam viagens curtas. A Jovem Pan conversou com alguns motoristas para entender o motivo do problema. O aumento do preço dos combustíveis é um deles. Um levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), divulgado no fim de agosto, aponta que o valor médio do litro da gasolina é de cerca de R$ 6 no país. “Eu acho que é pelo combustível e pela plataforma da Uber Promo. Alguns motoristas acham que, por ser mais barato, acaba afetando. Eles não ativam essa função e acaba demorando mais. Mas eu acredito que seja muito pela questão do combustível também”, afirma Nelson Alessandro, motorista da Uber há quase três anos.

A Uber Promo é uma modalidade que chegou à capital paulista no ano passado e oferece viagens mais baratas. A opção só fica disponível em alguns momentos, principalmente fora dos horários de pico. Os usuários pagam menos, mas os motoristas também recebem um valor menor. No entanto, segundo a Uber, eles são livres para optar se querem ou não ativar essa modalidade no aplicativo. “Eu dificilmente cancelo. Eu só não vou naquelas viagens que para mim não compensa mesmo. Por exemplo, da Vila Mariana para Barueri no Uber Promo estava dando R$ 30,00. É uma corrida de mais de 35 km. No normal (Uber X) eu ganharia o dobro, então não compensa eu ir até lá”, afirma Nelson. “Para o usuário é ótimo, mas para o motorista já não compensa tanto”, completa. Um outro motorista da Uber, que preferiu não se identificar, afirma que não costuma ativar a opção Uber Promo. Para ele, com o aumento do preço dos combustíveis, fazer viagens mais baratas não vale a pena. Ele também reclama que a taxa por quilômetros rodados do aplicativo não acompanhou a inflação. “No começo da pandemia a Uber fez uma mudança sem vergonha, falou que fez um aumento de taxa por quilômetro rodado, mas não foi aumento. São seis anos sem aumento. A Uber Promo acaba tirando uma porcentagem a mais do motorista. Eu mesmo não trabalho com isso. Não aceito, me nego”, diz.

O aumento do valor dos combustíveis também afetou os taxistas da capital. O presidente da Federação dos Taxistas Autônomos do Estado de São Paulo (Fetacesp), Luis Antônio da Silva, afirma que, para eles, o impacto é menor, já que os motoristas não são obrigados a pagar uma porcentagem do que recebem para alguma empresa. Por outro lado, ele destaca que a tarifa por quilômetros rodados no taxímetro também não acompanhou a inflação. “A gente está com a mesma tarifa desde 2015, então é lógico que estamos defasados, porque deveria ter tido pelo menos o reajuste da inflação. A gente não teve esses reajustes, mas temos menos despesa. Não temos que pagar comissionamento para empresas”, afirma. “Nós ainda estamos conseguindo tocar. Mas a esperança é que o preço do combustível abaixe”, completa.

O que dizem as empresas

Em nota, a Uber informou que, com o aumento do valor dos combustíveis, tem “intensificado seus esforços para ajudar os motoristas parceiros a reduzirem seus gastos, com parcerias que oferecem desconto em combustíveis, por exemplo, assim como tem feito uma revisão dos ganhos dos motoristas e reajustado valores em diversas cidades.” A empresa disse que lançou diversas iniciativas e promoções para aumentar os ganhos em todos os tipos de viagem, de curta ou longa distância. A Uber também afirma que, com a pandemia, mais pessoas começaram a usar o app. “Esse contexto de alta demanda por viagens vem se acentuando nas últimas semanas, conforme o avanço da campanha de vacinação e a reabertura progressiva de atividades comerciais pelas autoridades. Nesse sentido, os usuários estão tendo de esperar mais tempo por uma viagem porque, especialmente nos horários de pico, há mais chamados do que parceiros dispostos a realizar viagens. A demanda elevada significa que o app da Uber está tocando sem parar para os parceiros, situação em que eles relatam se sentirem mais confortáveis para recusar viagens, pois sabem que virão outros chamados na sequência, possivelmente com ganhos maiores”, explica.

Em relação às taxas pagas pelos motoristas parceiros, a Uber afirmou que a tarifa era fixa em 25%, mas se tornou variável desde 2018 para que a empresa tivesse maior flexibilidade para usar o valor em descontos aos usuários e promoções aos trabalhadores. “Em qualquer viagem, o motorista parceiro sempre fica com a maior parte do valor pago pelo usuário – há confusão entre os parceiros sobre o valor da taxa porque em algumas viagens ele pode aumentar, enquanto em outras pode diminuir. É por isso que todos os motoristas parceiros ativos recebem semanalmente, por e-mail, um compilado sobre os seus ganhos que mostra quanto ele pagou de taxa Uber naquela semana”, disse a empresa.

Já a 99 afirmou que, para garantir o melhor equilíbrio entre oferta e demanda, há uma política na plataforma que penaliza o motorista que cancela de forma recorrente as corridas, assim como ocorre para passageiros. A empresa também disse que já garantiu mais de R$ 3,1 milhões em desconto nos combustíveis para os motoristas nos postos da rede Shell neste ano. “A empresa também está, em datas estratégicas, zerando as taxas aplicadas nas corridas, ou seja, 100% do valor é repassado ao motorista parceiro. Por fim, a 99 criou um pacote de apoio aos motoristas parceiros para colaborar com os ganhos financeiros e impactar positivamente a economia do país”, disse em nota. A 99 explicou ainda que, desde o início da pandemia, observou um aumento da demanda na plataforma por parte da população da classe C. “Sem o privilégio do trabalho remoto, as pessoas com menor renda passaram a utilizar mais transportes por aplicativo”, diz Livia Pozzi, Diretora de Operações e Produtos da 99. A empresa alega que a retomada das atividades econômicas no início de 2021 também fez as Classes A e B voltarem a utilizar o serviço, intensificando o volume de chamadas solicitadas por meio da plataforma.