Queiroga pede que brasileiros tomem 2ª dose da vacina: ‘Nosso único inimigo é o vírus’

Em pronunciamento à nação na noite desta quarta-feira, 28, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, classificou as vacinas contra a Covid-19 como uma “nova esperança” para o país contra a pandemia. Ele se dirigiu aos que estão com a segunda dose do imunizante em atraso em um apelo: “Peço que busquem os postos de vacinação para tomar a segunda dose, pois sua imunização só estará completa após a conclusão do esquema vacinal”, afirmou. O médico também citou uma série de atitudes tomadas pelo governo contra a doença, como o contrato de transferência de tecnologia entre a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o laboratório AstraZeneca para a fabricação de Ingrediente Farmacêutico Ativo no Brasil e a distribuição de R$ 5,7 bilhões em recursos para Estados e municípios como ações louváveis para a volta à normalidade no país.

Citando a encomenda de mais de 600 milhões de doses do imunizante e afirmando que, atualmente, o Brasil tem mais de 63% da população vacinada com pelo menos uma dose, o ministro afirmou que o Plano Nacional de Imunização é um sucesso e previu o período no qual todos os adultos estarão protegidos contra a Covid-19. “Toda a população adulta do Brasil estará vacinada com a primeira dose até setembro e com a imunização completa até dezembro. Nosso único inimigo é o vírus, por isso, é importante a união de todos”, pontuou. Ele lembrou da existência de novas mutações como um desafio para o país e elogiou o Sistema Único de Saúde afirmando que o governo federal investiu no SUS desde o início da pandemia. O pronunciamento de Queiroga ocorre poucas horas após a pasta da Saúde afirmar que vai fazer um estudo para avaliar a necessidade de uma terceira dose da CoronaVac para imunizados com a vacina de tecnologia chinesa. O estudo deve ser feito em parceria com a Universidade de Oxford e analisará se a proteção contra o vírus cai após seis meses de uso aplicando uma terceira dose naqueles que receberam as duas primeiras.