Ministério da Saúde vai assinar contrato de 54 milhões de doses da CoronaVac na terça, afirma Butantan

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que o contrato que prevê 54 milhões de doses adicionais da CoronaVac vai ser assinado pelo Ministério da Saúde na próxima terça-feira, 2. De acordo com ele, a informação é do departamento de logística da pasta. “Notícia que todos estamos aguardando e esperamos que se concretize”, afirmou. Dimas Covas ainda destacou que, corrigindo o que disse na última quarta-feira, o contrato de 40 milhões de doses dos laboratórios Butantan/Sinovac com outros países da América Latina não interfere no quantitativo do Plano Nacional de Imunização. Se o contrato foi mesmo assinado pelo Ministério, serão 100 milhões de doses para o Brasil apenas da CoronaVac.

Na manhã desta sexta, o governador João Doria afirmou ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, que, caso a pasta não demonstrasse interesse até o dia 5 de fevereiro, as negociações seriam feitas diretamente com estados e municípios. O Estado de São Paulo registrou, nas últimas quatro semanas, uma queda de 1% no número de óbitos pela Covid-19 e de 9% nas internações. O número de casos, no entanto, teve aumento de cerca de 2%. Nesta sexta-feira, o Estado tem 1.759.957 casos de coronavírus confirmados e 52.722 óbitos pela doença. A taxa de ocupação dos leitos de UTI está em 69,9% no Estado e 69,4% na Grande São Paulo. Entre os internados, 5.907 estão em UTI e 7.206 estão em enfermaria — entre casos confirmados e suspeitos.

Na nova classificação do Plano São Paulo, agora o Estado está 82% na Fase 2 – Laranja e 18% na Fase 1 – Vermelha. Nas atualizações, Sorocaba e Presidente Prudente regrediram para a fase mais dura. Ribeirão Preto, por ter apresentado melhora nos seus índices, subiu para uma menos restritiva. Ao todo, as regiões de Bauru, Barretos, Franca, Marília, Ribeirão Preto e Taubaté estão na fase vermelha. Todas as outras regiões estão na fase laranja. De acordo com a secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, o melhor momento da pandemia foi novembro — no dia 30 daquele mês, todo o Estado estava na Fase 3 – Amarela.