Afastado da Prefeitura, Covas é criticado por acompanhar a final da Libertadores no Maracanã

O prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), está sendo extremamente criticado por ter acompanhando a final da Copa Libertadores da América entre Palmeiras e Santos diretamente do estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, na tarde deste sábado, 30. Nas redes sociais, diversos internautas questionaram a decisão do mandatário, que está afastado de seu cargo desde o dia 18 de janeiro para dar continuidade no tratamento do seu câncer. “Bruno Covas tinha que dar exemplo, mas deu uma de Bolsonaro. Além de ser do grupo de risco, esta e licença para tratar o câncer”, disse um internauta, no Twitter. “Bruno Covas, que trancou a cidade, foi ao Maracanã assistir a final da Libertadores!! Parabéns pela HIPOCRISIA. Um tapa na cara da sociedade”, reclamou outro.

Santista, Bruno Covas viu o seu time do coração sofrer um gol nos acréscimos, perdendo a oportunidade de conquistar o tetracampeonato da Libertadores. Reeleito prefeito na última votação, no ano passado, o tucano deixou o cargo nas mãos de seu vice, Ricardo Nunes, no dia 18 de janeiro e deve retomar as atividades na próxima segunda-feira, quando a sua licença de dez dias expira.

No dia 23 de outubro de 2019, Bruno Covas foi internado para tratamento de uma erisipela. Dois dias depois, os médicos diagnosticaram uma trombose venosa das veias fibulares e exames subsequentes apontaram tromboembolismo pulmonar e câncer. Covas foi diagnosticado com adenocarcinoma, um tipo de câncer na região de transição do esôfago para o estômago, além de uma metástase no fígado e uma lesão em linfonodos. Em fevereiro de 2020, uma biópsia apontou que o câncer de Covas persistia após uma rodada de oito sessões de quimioterapia. O prefeito entrou na segunda fase do tratamento, passando por sessões de imunoterapia, um procedimento que consiste em sessões de 30 minutos para aplicação de medicamentos que fortaleçam o sistema imunológico.