Ibovespa fecha em baixa de 0,66%, a 122.202,47 pontos; dólar vai a R$ 5,19

O Ibovespa esboçou pela manhã engrenar o terceiro dia de recuperação moderada, mas perdeu fôlego à tarde, em meio ao reforço da percepção de que o BC está atrás da curva, correndo contra o tempo para fazer com que a inflação de 2022 possa convergir para a meta. Ao fim, tendo renovado mínima do dia a 122.061,47 pontos após participação do diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra, em evento do Goldman Sachs, o Ibovespa mostrava perda de 0,66%, aos 122.202,47 pontos, saindo de máxima a 123.512,77, com abertura a 123.021,24 pontos. Moderado, o giro foi de R$ 26,8 bilhões nesta terça-feira. No mês, o Ibovespa avança 0,33%, acumulando ganho de 2,68% no ano e cedendo 0,49% na semana. Após uma sequência de três pregões de alta, o dólar perdeu força e encerrou a sessão desta terça-feira, 10, em queda firme, abaixo do patamar de R$ 5,20, em meio a fluxos pontuais de recursos, realização de lucros e diminuição de posições defensivas. Depois de chacoalhar nas primeiras horas de negócios, com trocas de sinais, o dólar se firmou em terreno negativo no fim da manhã e chegou a trabalhar abaixo de R$ 5,19, descendo até a mínima de R$ 5,1857. Com certa recuperação do fôlego ao longo da tarde, a moeda norte-americana encerrou a R$ 5,1967, em queda de 0,96%. No acumulado do mês, o dólar recua 0,25%.