Estudo aponta que área queimada no Brasil aumentou 10 vezes em 35 anos

O Brasil está em chamas. Em mais de três décadas, a quantidade de áreas atingidas pelo fogo aumentou 10 vezes. Os dados são de um levantamento inédito feito pelo Mapbiomas, um projeto de mapeamento anual do uso e cobertura da terra no país. Os pesquisadores analisaram imagens de satélite observando as mudanças mensais registradas desde 1985 até 2020. A conclusão é que quase 20% do território brasileiro já foi queimado entre áreas de floresta, de campo, pasto e com produção agrícola. Em média,  são 150 mil quilômetros quadrados queimados anualmente, como se um país do tamanho da Inglaterra pegasse fogo todos os anos. De toda a área queimada, mais de 60% pegou fogo mais de uma vez. A coordenadora da pesquisa e diretora de ciência do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), Ane Alencar, esclarece que são vários os fatores que explicam o aumento das queimadas, como se é um ano muito seco, se há bastante material de combustão no solo, por exemplo. No entanto, o principal é o controle da fonte de ignição. Ou seja, quem começa o fogo.

“No Brasil, infelizmente, a gente tem visto uma prática de uso do fogo que não é condizente com o ambiente. Ela está muito relacionada ao desmatamento, a práticas de pastagem, que não têm um manejo adequado”, pontua. Para a pesquisadora, os números revelam a urgência de políticas públicas assertivas. Caso contrário, o dano não é apenas aos biomas, mas para as faunas locais. Segundo ela, não é mais possível colocar essa agenda em segundo plano. “Se a gente controlar as fontes de ignição, o fogo reduz. É bem importante a gente levar essa informação para os formadores de decisão, porque combatendo a criminalidade na Amazônia, por exemplo, a ocupação ilegal de terras, a gente vai reduzir o desmatamento e vai reduzir o fogo.”

Em nota, o Ministério do Meio Ambiente informou que o governo, “cumprindo o compromisso internacional anunciado na Cúpula de Líderes sobre o clima, fortaleceu as ações de fiscalização e controle e dobrou os recursos para órgãos de fiscalização ambiental”. “Em relação ao incêndios, governo suspendeu o uso do fogo para práticas agropastoris em todo o território nacional por 120 dias, autorizou atuação conjunto do Ministério da Justiça, Ministério do Desenvolvimento Regional e Ministério do Meio Ambiente, com cooperação dos órgãos estaduais, para contratar mil bombeiros, com objetivo de prevenir e combater os incêndios na Amazônia, cerrado e no Pantanal”.

 *Com informações da repórter Carolina Abelin