Sedentarismo e descuido com alimentação na pandemia trazem consequências para diabéticos

Giovanna Busnello, sofre com diabetes tipo 1 desde criança. A estudante relata que costuma seguir uma rotina com prática de exercícios e alimentação saudável para o controle da doença. No entanto, durante a pandemia, manter o estilo de vida se tornou um desafio. “A pandemia para mim está sendo o maior desafio dos meus 13 anos que lido com diabetes. Para lidar com as questões emocionais, que abalam muito a diabetes, e a questão do sono, por ficar o dia todo na frente do computador tem atrapalhado o meu sono, não sei se é por uma agonia de ficar presa”, relata. Dados de um levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Diabetes, em parceria com vários pesquisadores, apontam que a pandemia de Covid-19 impactou negativamente a rotina dos diabéticos. Entre o final de abril e o inicio de maio, quase 60% dos pacientes apresentaram piora no controle da doença e reduziram a prática de atividades físicas. Outro dado preocupante é que 38,4% adiaram consultas ou exames marcados e 40,2% não marcaram novas idas ao médico desde o início da pandemia.

O receio dos especialistas é que, após a pandemia, seja detectado um aumento de casos graves de diabetes e outras complicações associadas à doença, como relata a endocrinologista do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz  Tarissa Betriz Petry. “A gente tem visto na nossa prática do dia a dia pessoas que vão ao hospital por alguma queixa e a glicemia está extremamente alta, mas eles nem tinham o diagnóstico da doença. Essa descompensação vem do fato de termos ficado mais em casa e não termos feitos as rotinas de consultas”, afirma. Ainda segundo a especialista, os pacientes diabéticos devem manter uma rotina de cuidados. “Mantenha uma vigilância, se puder ter um glicosímetro, medir a glicemia para mantê-la sob controle e procurar o seu médico. Muitos médicos estão atendendo por teleconsulta, você não precisa sair de casa”, explica. O Brasil tem cerca de 16 milhões de pacientes com diabetes e a expectativa é que em 2045 esse número chegue a 20 milhões, segundo o Atlas de 2019 da International Diabetes Federation.

*Com informações da repórter Caterina Achutti