Isolamento muda relação entre donos de imóveis do mercado de médio e alto padrão

O isolamento social na pandemia provocou uma nova relação do morador com o seu imóvel. O presidente da Abrainc, Luiz França, analisa o reflexo no mercado de médio e alto padrão. “[A pessoa] começou a se sentir desconfortável com os espaços, muitas vezes aqueles apartamentos que não tinham terraço. Imóveis que às vezes as pessoas comprovam, mas sem vontade. Coberturas e duplex passaram a ser desejo das pessoas pelas grande áreas. Isso veio vindo e, de repente, o mercado de médio e alto padrão voltou e bastante forte”, explica. O presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias coloca novas áreas nos projetos.

“Geralmente os imóveis nos prédios dos EUA você tem um local onde as encomendas que chegam ficam armazenadas para que depois a pessoa vá recolher. Isso é uma coisa que deve ocorrer no Brasil porque você recebe um grande número de encomendas e precisa deixar armazenado enquanto os proprietários não estão. Esse tipo de coisa vai fazer parte dos novos empreendimentos. E uma melhora nos espaços, uma readequação também deve acontecer em função do período que as pessoas ficarem em home office e sentirem necessidades importantes”, completou. Ainda sob efeito da pandemia, Luiz França destaca que a Abrainc e a Caixa vão realizar a primeira versão virtual da feira de imóveis a partir da sexta-feira, 20.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos