Taxa de contágio da Covid-19 no Brasil supera patamar de risco

Com 685 novas mortes por Covid-19 em um período de 24 horas, o Brasil voltou a apresentar média móvel de óbitos diária acima de 500 na última semana. Ao todo, 166.699 brasileiros perderam a vida por complicações da doença. Em todo o país, já são quase 6 milhões de infectados, sendo que 5,3 milhões estão curados. Segundo dados do Imperial College de Londres, a taxa de transmissão da Covid-19 no Brasil também voltou a ficar acima de 1 — nível considerado alto.

A piora dos índices coincide com uma alta das internações já registrada em diversos estados. Em São Paulo, a quarentena foi prorrogada até o dia 16 de dezembro. Nesta terça, o governador João Doria ressaltou, porém, que a situação está sob controle. “Ainda que tenhamos tido um pequeno aumento de 18% nas internações nos hospitais, ele não é determinante para chegar em qualquer nível de ampla preocupação. Mas elas significam um sinal de atenção, de cuidado e de zelo.”

Em Curitiba, a Prefeitura suspendeu por tempo indeterminado as cirurgias eletivas nos hospitais da cidade. O retorno das aulas para alunos de até 10 anos nas escolas particulares da capital paranaense, no entanto, foi mantido. No Rio de Janeiro, escolas municipais reabriram parcialmente nesta terça, mas a adesão foi baixa já que os alunos podem continuar estudando em casa. Uma pesquisa Datafolha, encomendada pela Fundação Lemann, mostrou que os professores da rede pública estão mais preparados para dar aulas remotamente. Segundo o levantamento, 73% dos educadores dizem que, após a pandemia, vão utilizar mais tecnologia no ensino do que usavam antes. Já 55% dos docentes acham que a internet da escola não é adequada.

A gerente da Força Tarefa Educação Covid-19, da Fundação Lemann, Cristieni Castilhos, reforça que o ensino remoto só vai funcionar se houver uma boa infraestrutura. “O professor que vai voltar para a escola para atender os alunos em regresso precisa encontrar escola conectada, com internet. Precisa ter equipamentos e condição de poder dar aula nesse modelo híbrido.” Na escola da professora de inglês Suellen Costa, no interior paulista, a solução encontrada foi utilizar o WhatsApp para manter o contato com pais e alunos.

A ideia deu tão certo que rendeu até um prêmio nacional para a iniciativa. Ela conta que, mesmo quando as atividades voltarem ao normal, pretende continuar ensinando pela internet. “Com o retorno, eu aposto muito no ensino híbrido. Dentro do meu trabalho eu não quero deixar de usar, que explorar os laboratórios. A gente não pode retroceder. Temos que continuar em evolução.”

Em algumas cidades da região metropolitana de Manaus, as aulas presenciais na rede estadual devem retornar na próxima semana para cerca de 50 mil alunos. Ao mesmo tempo, as hospitalizações por coronavírus no Estado continuam aumentando. Com mais de 170 mil infectados e 4,7 mil mortos por Covid, o governo do Estado abriu 42 novos leitos de UTI na capital e já cogita a montagem de um hospital de campanha.

*Com informações da repórter Letícia Santini