SP inicia pagamento da Renda Básica Emergencial a partir de 25 de novembro

Claudia Multi e o marido nasceram no circo. Há 14 anos, o casal fundou uma escola em Campinas com aulas de trapézio, cama elástica e malabares. A artista conta que além das habilidades circenses, descobriu mais um talento: cantar. “O meu show  eu trago os elementos do circo, então enquanto estou cantando tem uma moça pendurado em tecido, eu mesmo faço malabares de fogo durante o show. Tem os meus músicas, toda a equipe, não sou só eu, né?” Por causa da pandemia, a família que vive da arte, viu a fonte secar. Claudia conta que precisou vender maça do amor e pipoca pelas ruas, para sobreviver. “Então eu saia  com aquela corneta nas ruas, a pessoa escutava em casa, já me viam com toca, com luvas, entregava, passava o álcool e recebia o dinheiro, porque eu precisava comer.”

A Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, inicia no dia 25 de novembro o pagamento do auxílio emergencial  para os  profissionais do setor cultural, que se encaixam na Lei conhecida como Aldir Blanc. O objetivo  é diminuir os impactos econômicos que a pandemia de Covid-19 trouxe para o segmento. Em cerca de quase dois meses, a lei recebeu mais de 13 mil inscritos. O governo de São Paulo recebeu pela Lei Aldir Blanc foi de R$ 264 milhões, parte do recurso vai para o pagamento do auxílio emergencial para os artistas paulistas. Os beneficiários receberão parcela única no valor de R$ 3 mil e, no caso de mãe/provedora, o valor será dobrado. O restante será usado em projetos patrocinados pela lei de incentivo à cultura. Ao todo, são 25 editais com cerca de 5 mil inscrições.

*Com informações da repórter Caterina Achutti