Governo deve remanejar transformadores para solucionar apagão no Amapá 

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e o governador do Amapá, Waldez Góes, anunciaram nesta quinta-feira, 5, três planos para reverter o apagão que assola o estado há três dias. A interrupção da carga elétrica aconteceu por volta das 20h47 da terça-feira, 3, e atingiu cerca de 14 dos 16 municípios do Amapá, inclusive a capital Macapá. Segundo o MME, um corte abrupto de carga ocorreu em virtude de um incêndio no transformador 1 da Subestação de Macapá, na Zona Norte da capital, sendo registrada perda total na unidade. O apagão já dura quase 45 horas. “A Portaria, destaca a importância de que sejam apurados os fatos e responsabilidades, tempestivamente, com vistas, a prestar contas à sociedade, bem como para contribuir na identificação de medidas preventivas que devam ser adotadas para evitar incidente semelhante”, diz nota da pasta.

Um dos planos consiste em recuperar um dos três transformadores da estação. Em coletiva, foi informado que os três ficaram comprometidos, não sendo possível o remanejamento, substituição ou reaproveitamento das peças. O ministro informou que um dos transformadores, o menos afetado, tentará ser recuperado, mas o processo pode levar até 48 horas. “Temos uma perspectiva de reparo de um dos transformadores ainda no dia de hoje, o que se for bem-sucedido restabelecerá de 60% a 70% da carga do Estado do Amapá. Estamos também desencadeando outras ações para que, no prazo de até 30 dias, todos os transformadores necessários para a total segurança energética ao local, estejam totalmente restabelecidos”, disse Albuquerque.

A outra proposta envolve o remanejamento de um dos transformadores de Laranjal do Jari. A cidade possui sistema isolado e não foi afetada pelo apagão. Boa Vista, capital de Roraima, também cederá um transformador. O plano, porém, deve demorar mais de 15 dias para ser finalizado. O gerador de Laranjal pode levar 15 dias para ser desmontado, transportado por transporte fluvial e instalado. O mesmo acontecerá com o gerador de Boa Vista, que deve demorar mais de um mês para ser montado. O transporte de 30 mil litros de óleo para cada máquina também deverá ser lento. O terceiro plano envolve a compra de geradores novos vindos do Amazonas.

Na quarta-feira, 5, o presidente do senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), deixou sessão no Congresso para se reunir com Bento Albuquerque em busca de uma solução para o problema. O irmão do senador, Josiel Alcolumbre, é candidato à prefeitura de Macapá. “Logo cedo, a gente conversou um pouco. É uma situação preocupante a situação do Amapá, estamos isolados, sem energia, uma dificuldade muito grande. Mas quero reconhecer que o governo federal, prontamente, se colocou à disposição”, disse Alcolumbre em vídeo publicado pelo MME. “Com certeza absoluta, esse envolvimento absoluto do governo tem meu reconhecimento e terá também o reconhecimento dos amapaenses”, disse o senador.