NASA descobre planeta ‘potencialmente habitável’ do tamanho da Terra

O Satélite de Pesquisa de Exoplanetas em Trânsito da NASA (TESS) descobriu o primeiro planeta habitável do tamanho da Terra. O TOI 700 d, como foi batizado, está no sistema planetário TOI 700, na constelação de Dorado, em uma galáxia a 100 anos-luz de distância do nosso Sistema Solar.

De acordo com a NASA, o TOI 700 d tem condições adequadas para permitir até mesmo a presença de água líquida na superfície. Ele é um dos poucos planetas do tamanho da Terra descobertos até agora na zona habitável de uma estrela. Os demais estão vários no sistema TRAPPIST-1 e alguns em outras regiões, localizadas pelo telescópio Kepler Space da NASA. Geralmente, os planetas encontrados são muito maiores.

O TOI 700 d tem aproximadamente 40% da massa e tamanho do Sol e cerca da metade da temperatura da sua superfície — ele recebe de sua estrela 86% da energia que o Sol fornece à Terra. Além disso, orbita a cada 37 dias.

Apesar de ter o tamanho da Terra, ainda é difícil prever se o TOI 700 d é potencialmente habitável. A estudante da Universidade de Chicago, Emily Gilbert, explicou que em 11 meses não foram vistas explosões da estrela, “o que aumenta as chances de o TOI 700 d ser habitável e facilita a modelagem de suas condições atmosféricas e de superfície”.

Entretanto, como ele está preso à sua estrela, as formações de nuvens e os padrões de vento podem ser surpreendentemente diferentes dos da Terra. No entanto, os cientistas podem usar as informações atuais, como o seu tamanho e tipo de estrela que orbita, para gerar modelos de computador e fazer previsões.

É habitável?

Pesquisadores do Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland, modelaram 20 ambientes em potencial do TOI 700 d para avaliar se alguma versão resultaria em temperaturas e pressões de superfície adequadas para a habitabilidade. Seus modelos climáticos em 3D examinaram uma variedade de tipos de superfície e composições atmosféricas tipicamente associadas ao que os cientistas consideram mundos potencialmente habitáveis.

Uma simulação incluiu um TOI 700 d coberto de oceano com uma atmosfera densa e dominada por dióxido de carbono, semelhante ao que os cientistas suspeitam ter cercado Marte quando era jovem. A atmosfera do modelo contém uma camada profunda de nuvens no lado voltado para a estrela. Outro modelo descreve o TOI 700 d como uma versão do nosso planeta sem ambiente terrestre, onde os ventos fluem para longe do lado noturno e convergem no ponto diretamente voltado para a estrela.

Quando a luz das estrelas passa pela atmosfera de um planeta, ela interage com moléculas como dióxido de carbono e nitrogênio para produzir sinais distintos, chamados linhas espectrais. A equipe de modelagem, liderada por Gabrielle Engelmann-Suissa, assistente de pesquisa da Goddard, uma Associação Universitária de Pesquisas Espaciais, produziu espectros simulados para as 20 versões modeladas do TOI 700 d.

“Algum dia, quando tivermos espectros reais do TOI 700 d, podemos voltar atrás, combiná-los com o espectro simulado mais próximo e depois com um modelo”, disse Englemann-Suissa. “É emocionante, porque não importa o que descobrimos sobre o planeta, parecerá completamente diferente do que temos aqui na Terra”, completou.

Os pesquisadores da NASA apresentaram as descobertas na 235ª reunião da Sociedade Astronômica Americana em Honolulu, no Havaí, e três artigos — um dos quais Gilbert liderou — foram submetidos a revistas científicas.

Sobre o sistema planetário

O sistema planetário TOI 700 é uma estrela classe M de baixa atividade, com 40% da massa, 40% do raio e 50% da luminosidade de nosso Sol. Ao seu redor orbitam três planetas, dos quais apenas o TOI 700 d é potencialmente habitável.

Sobre o TESS

O satélite foi projetado e lançado especificamente para encontrar planetas do tamanho da Terra orbitando estrelas próximas. Ele monitora grandes áreas do céu, chamadas setores, 27 dias por vez.

“Os planetas em torno das estrelas próximas são mais fáceis de acompanhar com telescópios maiores no espaço e na Terra. Descobrir o TOI 700 d é uma descoberta científica essencial para o TESS. Confirmar o tamanho do planeta e o status da zona habitável do Spitzer é outra vitória”, afirmou Paul Hertz, diretor da divisão de astrofísica da sede da NASA em Washington.