Site PessoaDoente.com.br explica as diferenças entre remédio de referência, genérico e similar

CURITIBA, Brasil, 15 de outubro de 2019 /PRNewswire/ — Visitar uma farmácia parece algo bastante comum para muita gente. Mas para outras é uma rotina diária. Desde quando compramos um remédio esporádico ou quando fazemos uso de medicação contínua, o mercado de fármacos está bastante diversificado e os preços bem variados.

Dentre as opções nos oferecida, o farmacêutico ou o atendente do local nos pergunta se queremos os remédios de referência, os medicamentos genéricos ou os similares. Mas o que cada um deles significa?

Medicamentos de referência

O remédio de referência é aquele inovador, a novidade mais recente apresentada pela indústria farmacêutica. Com preços mais elevados, suas eficácias e resultados foram comprovados junto à Anvisa. O registro para comercialização e uso geralmente são cadastrados no site da agência, que disponibiliza a lista dos remédios desta categoria, que pode ser acessada em: http://portal.anvisa.gov.br/registros-e-autorizacoes/medicamentos/produtos/medicamentos-de-referencia/lista.

Medicamentos genéricos

Preferidos no gosto popular, os remédios dessa categoria costumam ter um preço mais acessível e são mais fáceis de encontrar no mercado. Eles não podem ter marca, devendo ter apenas o nome do princípio ativo na embalagem. Esses medicamentos possuem os mesmos princípios ativos dos remédios tradicionais, com a mesma dose e a mesma forma farmacêutica. Sua ação nos tratamentos médicos são os mesmos dos remédios mais caros, onde o genérico é a opção. Principalmente em cidades pequenas, onde o medicamento genérico é o mais encontrado, com preço menor e maior opção.

Com a quebra das patentes no Brasil, as indústrias farmacêuticas não precisam realizar as pesquisas que são realizadas nos medicamentos de referência. Identificados com uma faixa com o nome de medicamento genérico, a criação deste vem da década de 70, com o começo das discussões. Sua efetivação veio no final da década de 90, através de Lei que regulamentou a venda e comercialização dos genéricos, com as primeiras unidades sendo comercializadas no primeiro trimestre de 2000.

Para a comercialização, o valor deve ser ao menos 35 por cento mais barato que o remédio de referência, o que reduz o valor dos remédios mais caros no mercado, aumentando o acesso dos usuários aos remédios.

Medicamento similar

Segundo a Anvisa, os medicamentos similares têm por característica manter os mesmos princípios ativos, na mesma concentração, mesma dose e mesma forma farmacêutica do que aqueles medicamentos de referência ou os genéricos. A diferença está no fato de que esses medicamentos possuem marca e nome fantasia.

Para se ter uma ideia, o medicamento similar é aquele oferecido ao usuário quando o mesmo busca um medicamento de referência. Para a comercialização deste tipo de remédio no mercado, os medicamentos similares devem passar pelo mesmo processo de comprovação que os outros passam na agência. Apesar disso, sua má fama ocorre devido ao fato de que, no início, a Anvisa não exigia pesquisas comprovando que esses medicamentos eram cópias fiéis aos de referência. Porém, atualmente, é preciso que os fabricantes desses medicamentos apresentem estudos comparativos e que demonstrem a eficácia dos mesmos.

Genéricos e similares são os mais vendidos

Com os preços elevados dos medicamentos de referência, diversas farmácias dedicam grande parte de sua lista de remédios para os genéricos e similares. Oferecendo descontos para os clientes, o preço final costuma ser bem menor do que os encontrados nos medicamentos mais caros.

Segundo levantamento divulgado pela ANVISA, esses tipos de remédios ocupam hoje, 65 por cento do mercado nacional, de acordo com as estatísticas de 2017. Naquele ano, 2,9 bilhões de caixas dos genéricos e similares foram comercializadas, sendo que deste, 1.5 bilhão foram dos genéricos e mais de 1.3 milhão foram de medicamentos similares comercializados.

Os medicamentos genéricos e similares também dominam a lista de remédios encontrados nos serviços de saúde pública. Os médicos que atendem pelo sistema público de saúde são obrigados por lei a prescrever o remédio pelo princípio ativo, oferecendo economia e facilidade caso o medicamento não seja ofertado pela saúde do município. Dados levantados em 2010 mostram que, no SUS, são oferecidos medicamentos mais similares do que genéricos. Trabalho realizado em 2007 levantou o número de medicamentos genéricos e similares que são encontrados nas farmácias públicas e privadas, e constatou-se que ao menos no SUS, a preferência é dos remédios similares.

Para conferir mais notícias sobre Saúde e Bem Estar, acesse o site https://www.pessoadoente.com.br/ .

BLOGOLANDIA LTDA.Avenida Cândido de Abreu, 776 / 803 – Centro CívicoCEP: 80.530-000 – Curitiba – Paraná – [email protected]+55 (41) 2105-5913+55 (41) 9 9142 0228+55 (41) 9 9255 7758

FONTE Pessoa Doente

CURITIBA, Brasil, 15 de outubro de 2019 /PRNewswire/ — Visitar uma farmácia parece algo bastante comum para muita gente. Mas para outras é uma rotina diária. Desde quando compramos um remédio esporádico ou quando fazemos uso de medicação contínua, o mercado de fármacos está bastante diversificado e os preços bem variados.

Dentre as opções nos oferecida, o farmacêutico ou o atendente do local nos pergunta se queremos os remédios de referência, os medicamentos genéricos ou os similares. Mas o que cada um deles significa?

Medicamentos de referência

O remédio de referência é aquele inovador, a novidade mais recente apresentada pela indústria farmacêutica. Com preços mais elevados, suas eficácias e resultados foram comprovados junto à Anvisa. O registro para comercialização e uso geralmente são cadastrados no site da agência, que disponibiliza a lista dos remédios desta categoria, que pode ser acessada em: http://portal.anvisa.gov.br/registros-e-autorizacoes/medicamentos/produtos/medicamentos-de-referencia/lista.

Medicamentos genéricos

Preferidos no gosto popular, os remédios dessa categoria costumam ter um preço mais acessível e são mais fáceis de encontrar no mercado. Eles não podem ter marca, devendo ter apenas o nome do princípio ativo na embalagem. Esses medicamentos possuem os mesmos princípios ativos dos remédios tradicionais, com a mesma dose e a mesma forma farmacêutica. Sua ação nos tratamentos médicos são os mesmos dos remédios mais caros, onde o genérico é a opção. Principalmente em cidades pequenas, onde o medicamento genérico é o mais encontrado, com preço menor e maior opção.

Com a quebra das patentes no Brasil, as indústrias farmacêuticas não precisam realizar as pesquisas que são realizadas nos medicamentos de referência. Identificados com uma faixa com o nome de medicamento genérico, a criação deste vem da década de 70, com o começo das discussões. Sua efetivação veio no final da década de 90, através de Lei que regulamentou a venda e comercialização dos genéricos, com as primeiras unidades sendo comercializadas no primeiro trimestre de 2000.

Para a comercialização, o valor deve ser ao menos 35 por cento mais barato que o remédio de referência, o que reduz o valor dos remédios mais caros no mercado, aumentando o acesso dos usuários aos remédios.

Medicamento similar

Segundo a Anvisa, os medicamentos similares têm por característica manter os mesmos princípios ativos, na mesma concentração, mesma dose e mesma forma farmacêutica do que aqueles medicamentos de referência ou os genéricos. A diferença está no fato de que esses medicamentos possuem marca e nome fantasia.

Para se ter uma ideia, o medicamento similar é aquele oferecido ao usuário quando o mesmo busca um medicamento de referência. Para a comercialização deste tipo de remédio no mercado, os medicamentos similares devem passar pelo mesmo processo de comprovação que os outros passam na agência. Apesar disso, sua má fama ocorre devido ao fato de que, no início, a Anvisa não exigia pesquisas comprovando que esses medicamentos eram cópias fiéis aos de referência. Porém, atualmente, é preciso que os fabricantes desses medicamentos apresentem estudos comparativos e que demonstrem a eficácia dos mesmos.

Genéricos e similares são os mais vendidos

Com os preços elevados dos medicamentos de referência, diversas farmácias dedicam grande parte de sua lista de remédios para os genéricos e similares. Oferecendo descontos para os clientes, o preço final costuma ser bem menor do que os encontrados nos medicamentos mais caros.

Segundo levantamento divulgado pela ANVISA, esses tipos de remédios ocupam hoje, 65 por cento do mercado nacional, de acordo com as estatísticas de 2017. Naquele ano, 2,9 bilhões de caixas dos genéricos e similares foram comercializadas, sendo que deste, 1.5 bilhão foram dos genéricos e mais de 1.3 milhão foram de medicamentos similares comercializados.

Os medicamentos genéricos e similares também dominam a lista de remédios encontrados nos serviços de saúde pública. Os médicos que atendem pelo sistema público de saúde são obrigados por lei a prescrever o remédio pelo princípio ativo, oferecendo economia e facilidade caso o medicamento não seja ofertado pela saúde do município. Dados levantados em 2010 mostram que, no SUS, são oferecidos medicamentos mais similares do que genéricos. Trabalho realizado em 2007 levantou o número de medicamentos genéricos e similares que são encontrados nas farmácias públicas e privadas, e constatou-se que ao menos no SUS, a preferência é dos remédios similares.

Para conferir mais notícias sobre Saúde e Bem Estar, acesse o site https://www.pessoadoente.com.br/ .

BLOGOLANDIA LTDA.Avenida Cândido de Abreu, 776 / 803 – Centro CívicoCEP: 80.530-000 – Curitiba – Paraná – [email protected]+55 (41) 2105-5913+55 (41) 9 9142 0228+55 (41) 9 9255 7758

FONTE Pessoa Doente

Você acabou de ler:

Site PessoaDoente.com.br explica as diferenças entre remédio de referência, genérico e similar

11 2504-5100

Segunda a Sexta das 9h às 18h.

[email protected]

Entre em contato

© 2019 PR Newswire.

This website uses cookies to improve your experience while you navigate through the website. Out of these cookies, the cookies that are categorized as necessary are stored on your browser as they are as essential for the working of basic functionalities of the website. We also use third-party cookies that help us analyze and understand how you use this website. These cookies will be stored in your browser only with your consent. You also have the option to opt-out of these cookies. But opting out of some of these cookies may have an effect on your browsing experience.

Necessary cookies are absolutely essential for the website to function properly. This category only includes cookies that ensures basic functionalities and security features of the website. These cookies do not store any personal information.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui